publicado no dia 02.08.2018, por: Hiago Hasselmann

Se você é brasileiro provavelmente sabe quem é Anitta, a cantora carioca que veio da periferia como MC Larissa, hoje domina a música popular brasileira, está começando a ser um fenômeno internacional e com um currículo impecável é uma das artistas mais disputadas para campanhas publicitárias.

Após a ascensão extrema e uma carreira de dar inveja, a marca Anitta começou a ser considerada “Case de Marketing” e estudada constantemente pelo mercado. Será que o “fenômeno Anitta” é a nova fórmula de milhões?

via GIPHY

Se essa é a receita eu ainda não sei, mas algumas estratégias que a cantora usa são brilhantes, principalmente quando falamos de um conceito tão atual como o Branding. Tentei seguir a linha daquela análise que fizemos com as Kardashians e destacar o que pode inspirar sua marca:

Conhecimento de Marca

conhecimento é o primeiro passo na ativação de uma marca, quando bem executado garante facilidade nos próximos passos, como posicionamento e fidelização, e foi com certeza uma das estratégias mais importantes na carreira da Anitta.

Fazer shows é uma forma de ganhar visibilidade e criar uma relação com o público, e isso foi o foco da cantora mais influente do Brasil, que tem o maior volume de shows possível. Isso porque faz questão de não ter um cache tão alto, permitindo shows menores e em mais lugares, gerando um enorme conhecimento, divulgação e burburinho.

Fazendo em média vinte shows no mês, ainda encontra tempo para marcar presença na mídia, com programas de televisão, capas de revista, publicidades, redes sociais, entrevistas nas rádios, lançamento de parcerias, lançamento de videoclipes e tudo que permitir a disseminação da palavra da Anitta. Tudo mesmo, já que a própria tem uma das maiores presenças digitais do país, gerando um constante conteúdo sobre seu trabalho.

No lançamento do single Paradinha, por exemplo, a cantora foi as sedes do Google, do Facebook e do Spotify no Brasil e promoveu três coletivas de imprensa, estimulando a mídia espontânea e transmissões ao vivo, gerando um buzz nas principais plataformas digitais.

E o que parece repetitivo e chato, acaba se renovando quase mensalmente com um novo lançamento. O ritmo do projeto CheckMate de um videoclipe por mês foi mantido, trazendo sempre uma nova forma da cantora, que com o conhecimento de marca bem trabalhado não tem problemas com a mudança constante da identidade visual e sonora.

via GIPHY

Co-Branding

Anitta sempre traz um novo formato de si mesma, seja na música ou na moda, e está em constante mudança de identidade. Esse é outro ponto importante na personalidade da artista: a resiliência.

Resiliência que permite se adaptar facilmente a outros públicos, emplacando um número enorme de parcerias nacionais como Loka (com Simone e Simaria), Romance com Safadeza (com Wesley Safadão) e Ao Vivo e a Cores (com Matheus e Kauan), além das parcerias internacionais como Sua Cara (com Pabllo Vittar e Major Lazer), Is That For Me (com Alesso) e Downtown (com J Balvin).

Todos esses featurings ganham outro nome quando analisados no mundo do branding, chamamos essas parcerias de co-branding. Enxergar os concorrentes como uma oportunidade é pra poucos, uma colaboração entre marcas faz com que os valores e os públicos sejam relacionados, criando uma associação de marca (termo que também falei quando analisei o sucesso da família Kardashian), essas associações reforçam o conhecimento da cantora, que é citada não somente no seu próprio show mas também em de seus parceiros.

via GIPHY

Storytelling

Além de focar no conhecimento de marca, inovar com a identidade e não ter medo de fazer co-branding, Anitta sabe muito bem contar uma história: o famoso Storytelling (já falamos aqui no blog).

Recentemente, o Instagram lançou o IGTV uma nova plataforma de vídeo. No mesmo dia do lançamento Anitta aproveitou as notícias da novidade para incluir um “mini documentário” contando como era a decisão de um single dentro da gestão de sua carreira, outro item importante no storytelling…

Rompendo contrato em 2014 com sua ex-empresária, assumiu a gestão da própria carreira e após algumas dificuldades com a transição, aprendeu na prática, e hoje é dona da Rodamoinho Produções, que além dela mesma, cuida de Clau e Micael. E toda essa história de superação ainda ganha um valor a mais com a responsabilidade na ascensão do funk, seu ritmo de origem, sempre lembrado e defendido:

 

 

Bom e para continuar reforçando o conhecimento de marca, o co-branding e o storytelling, a cantora registrou em vídeo os últimos meses de sua carreira para lançar um documentário em parceria com o Netflix. Mais uma vez fazendo história com a sua história, e assim, se isso não prova essas estratégias de branding, eu não sei o que mais precisa acontecer 😉

Se quiser fazer como a Anitta, trabalhe muito e garanta o conhecimento da sua marca, mas se quiser ficar mais tranquilo passa essa responsa pra gente, todos os dias pensamos nesses detalhes do branding e podemos te ajudar um montão! Se quiser saber mais, entra na nosso site e se gostou não esquece de ler o post anterior dessa série “Branding x Cultura Pop” ❤

 

via GIPHY